13 de fev de 2010

A aparência aceitável das coisas

"A aparência aceitável das coisas" - Taigo Meireles (2008)



Sim, estou falando das impossibilidades.

Quando penso em meu descabimento, em minhas escolhas fora de eixo, de esquadro, de prumo: me reconheço.

Quando penso em meu descompasso, em minhas idas e vindas sem tempo nem hora ou mesmo razão: me sinto.

Quando penso em meu destempero, em minha voz desafinada, em minhas palavras que não cabem na conversa cotidiana: me adentro.

5 comentários:

  1. Que texto lindo, Bruninha!

    Engraçado, entrei aqui várias vezes para comentar e não conseguia. As duas primeiras vezes, dei de cara com essa pintura e achei-a tão forte, tão melancólica, tão triste, vindo a combinar com as palavras do título do post. As outras três vezes, entrei e li seu texto. Agora, não sei se é porque estou ultimamente tão satisfeita comigo (nunca pensei em me sentir assim), vi suas palavras de uma outra forma. Encontreo-me nelas, afinal, o que há de mais importante do que nossas particularidades? Gosto de pensar que sou única por aí, mesmo sengo desafinada, desastrada, meio autista, sarcástica e boba. Detalhes que nos encontramos, detalhes que nos colocam de fora e nos identificamos. A gente se constitui nesses pequenos defeitos, nessas miudezas, somos nós! Lembro de Clarice :"Até cortar os próprios defeitos pode ser perigoso. Nunca se sabe qual é o defeito que sustenta nosso edifício inteiro"... enfim, não sei se era isso, não sei se, no auge de minha miopia, consegui ver um pouco de você, mas vc viu um pouco de mim aí. Abração!!!

    ResponderExcluir
  2. Que bom que anda em boas mares Polly! E vamos seguindo com nossos silêncios e gritos desafinados!

    ResponderExcluir
  3. Bu,
    faço coro com a Planária Autista. Li mais de uma vez antes de conseguir comentar. Seu blog é afinado, ao contrário de nossas vozes. Cada imagem traz consigo uma carga de sentimentos. Aplausos pelas suas palavras que sempre me roubam suspiro e me carregam pelas divagações... e aplausos por suas palavras não-literárias, expostas em imagens tão expressivas.

    ResponderExcluir
  4. Só para reforçar o coro, então! :)
    Você é muito você!E expressa um mundo, nas imagens, na sua simplicidade complexa, nos textos. E nos gestos q imagino.

    É isso q gosto em você! ;)
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. Ai gente, assim eu não me aguento dentro de meus desafinos!

    Sarinha, um obrigada eterno a você, uma das pesças-chave da minha existência.

    Anônimo, obrigada pelo retorno sem rosto, mas cheio de palavras e afetos.

    Beijos a tod@s!

    ResponderExcluir